Coronel Salustiano Padilha,

a Altaneira Águia do Apodi

Quando as tropas do Rio Grande do Norte cruzaram o estuário do Rio Mossoró e invadiram o território do Ceará, o Presidente do Estado não teve dúvidas em qual seria o homem certo para liderar as gloriosas tropas cearenses
Cel. Salustiano em 1897 na sua luta contra o invasor potiguar: o Coronel Salustiano, visto ao lado em fotografia tirada quando comandante do 7o batalhão de caçadores, em 1897.

O público nas ruas de Fortaleza o conhecia pouco. O jornal Unitário perguntava em editorial: "Quem é esse homem, a quem  está confiada a tão momentosa tarefa de desafrontar a honra estadual?"

José Torcápio Salustiano de Albuquerque Padilha nascera na vila de Camocim a sete de setembro de 1861. Considerava o fato de ter nascido na data da independência nacional um presságio. Seus pais morreram quando ele era muito jovem, fazendo com que ele fosse criado por um de seus tios maternos, o farmacêutico João Francisco de Almeida Albuquerque.

Esse  tio exerceu grande influência na sua vida, pois fora voluntário da pátria na guerra do Paraguai como alferes, tendo sido inclusive ferido e condecorado. O historiador Soriano Cavalcanti afirma que todas os finais de tarde o jovem Salustiano ouvia seu tio relatar feitos heróicos pela defesa da pátria em meio aos macegais do Paraguai, e que foi isso que acendeu nele a chama do patriotismo.

Em 1878 ou 1879, os registros não são claros, o jovem Salustiano se matricula na Escola Militar de Rio Pardo,  formando-se aspirante em 1883.

Desde o começo de sua carreira militar Salustiano se destacava pelo seu acendrado patriotismo. Ele reprovava seus colegas quando estes se mostravam mais interessados em bebedeiras, teatros e flertes que em pensar na pátria. Sua companhia era evitada pelos outros oficiais, pois era bem conhecido  que ele só tinha um assunto, único e exclusivo: a honra nacional. Página de diário do Cel. Salustiano

O amor de Salustiano pela pátria se torna patente na carta que mandou a noiva, uma de cujas páginas que não se perderam se pode ver à direita, quando do início das querelas com a Bolívia devido à situação no Acre, e que quase levaram os dois países à guerra.  Na carta Salustiano confessa seu ódio aos malévolos bolivianos, e mais do que isso, confessa à noiva que seu amor a ela é muito grande, mas que seu amor  pela pátria é maior. Escreve também que o desejo mais ardente do seu coração, que o empolgou "desde o primeiro vagido no seio da mãe", é oferecer sua vida em holocausto pela pátria, para salvá-la de algum inimigo pérfido que a ameaçasse. Acrescenta no final da carta que o Brasil é a terra mais privilegiada do Planeta, e por isso é vítima de inveja das outras nações, que pretendem destruir sua glória. Diz que apreciaria  morrer no campo de honra, afrontando o inimigo, batendo-se como um leão, enrolado no pavilhão nacional, e liderando a vitória das armas nacionais.

 O tratado de Petrópolis em 1903 que resolveu as questões com a Bolívia involuntariamente causou o maior choque da vida de Salustiano, que decepcionado voltou para a sua terra natal, o Ceará, em licença, depois de tanto sonhar com as glórias nas batalhas com o país vizinho.

Mas este na verdade seria o prenúncio  de seu momento de glória, pois no decorrer de sua licença o rio Mossoró foi cruzado pelas tropas norte-rio-grandense, que conquistaram a cidade de Grossos, no Ceará.

A questão de Grossos, hoje um tanto esquecida, foi um dos casos mais rumorosos que abalou o Norte do Brasil no começo deste século. As tropas do Rio Grande do Norte cruzaram a fronteira histórica entre os dois estados, que era determinada pela larga barra do rio Mossoró, em fins de janeiro de 1904. O governo do Ceará dianteNogueira Accioly dessa afronta não agiu prontamente, gerando uma grande campanha por parte dos jornais oposicionistas, principalmente do Unitário. Multidões se reuniam na praça Central de Fortaleza exigindo a guerra ao Rio Grande do Norte. E de nada adiantavam as explicações de juristas dizendo que um estado não podia declarar guerra a outro! Finalmente, premido por todos os lados, o líder político do estado, Nogueira Aciolly (ao lado), toma uma providência: nomeia o Tenente-coronel do exército Salustiano Padilha para comandar as tropas estaduais na expulsão das tropas potiguares.

A reação da imprensa e da população foi entusiástica. Por todos os lados o Coronel Salustiano era aclamado como o salvador da honra estadual, era chamado de Leão do Norte, Alexandre o Grande do Ceará, Novo Napoleão. Mas foi de novo o jornal Unitário que lhe deu o epíteto mais marcante: a Altaneira Águia do Apodi.

Alheio a tais glórias o Coronel trabalha com afinco e entusiasmo, finalmente ele iria fazer o que sempre quis: bater-se contra o inimigo! E em pouco tempo a tropa de duzentos e cinqüenta homens estava organizada, e a cinco de março de 1904 instala sua base na cidade cearense de Aracati, a apenas oitenta quilômetros da zona conflagrada!

E na verdade aí começaram os grandes problemas de Salustiano. Primeiro, o problema logístico. Pelo mapa abaixo, pode-se ver que as bases potiguares estavam muito próximas do teatro de operações. A base inimiga mais próxima, a cidade fortificada de Mossoró, estava a pouco menos de trinta quilômetros de distância. Enquanto isso Salustiano e suas tropas tiveram de enfrentar cansativas marchas por praias de areias moles e sol causticante, e sem fontes d'água por perto.

Nem mesmo para seus sobrinhos Salustiano quis contar dos sofrimentos daquela marcha, pois para ele, homem de brio, tais sofrimentos pela pátria eram minúcias, indignos mesmo de menção. Mas pode-se imaginar o que ele e seus homens passaram. Diz a história popular  que o Coronel Salustiano fez o percurso lendo uma velha edição de Clausewitz ("Da Guerra"), e que teria dado toda a água de seu cantil aos seus soldados, tendo ficado sem nada. Claro que talvez isso seja imaginação popular. O próprio Soriano Cavalcanti duvida que isso tenha acontecido, embora o hoje esquecido poeta José Albano tenha escrito uma ode "Ao Themístocles Cearense!" em homenagem a tal feito. De qualquer forma não deixa de ser bonito pensarmos em um comandante em pleno sol das praias nordestinas sacrificando-se por seus comandados e pensando apenas nas altas questões de estratégia, com o livro de um autor prussiano nas mãos.

Depois da longa e cansativa marcha, os homens chegaram ao teatro de operações, tendo os primeiros pelotões atingido a região na tarde de 11 de março de 1904, para fazer espantosa descoberta: o inimigo tinha fugido!

Perguntas a moradores da região confirmaram tudo. Sabendo da aproximação das tropas cearenses, os potiguares tinham de novo cruzado a barra do rio Mossoró, tendo se reagrupado na cidade de Areia Branca, do outro lado do rio. Um tanto desanimado, Salustiano estabelece seu quartel-general na vilazinha de Grossos, tendo ordenado o hasteamento do pavilhão cearense e que se cantasse o hino, ao crepúsculo do dia 11.

 

Mapa do teatro de operações

Aí começa o episódio mais glorioso e obscuro da carreira do coronel, e que de certa forma revela toda a grandeza e
vileza de que o homem é capaz. A verdade crua é que certos homens, inclusive certos oficiais das forças expedicionárias
cearenses simplesmente estavam aliviados por saberem do recuo do inimigo. Estavam certos de que não haveria combate,
eles - e a verdade precisa ser dita - estavam com medo da morte, e prezavam mais suas vidas que sua honra.

E foram esses homens que se assustaram quando, por volta de meia-noite, o Coronel Salustiano entrou na tenda dos
oficiais e disse que isso não podia ficar assim. A honra estadual não podia ficar afrontada daquele jeito. O inimigo
recuara para suas fronteiras, mas não poderia ficar impune: era preciso dar-lhe uma lição. E de nada adiantaram as
objeções de alguns oficiais mais medrosos. Salustiano expôs seu plano e deu a ordem: no dia seguinte, eles invadiriam o
Rio Grande do Norte! Havia alguns barcos lá por perto, e eles cruzariam a barra do rio Mossoró e invadiriam a cidade de
Areia Branca.
 
 O ataque começou logo ao amanhecer. A tropa cearense deveria estar pronta para embarcar nas canoas e seguir o
trilho. O historiador Soriano Cavalcanti guarda algumas poucas fotos que sobreviveram, tanto do lado cearense como do
lado potiguar, e essas fotos contam como foi a incursão. Ao alvorecer do grande dia o Coronel Salustiano estava
eufórico, mas não uma euforia irresponsável e otimista. Não, pelo contrário, ele uma euforia rara nos tempos
modernos, a euforia do homem que vai de encontro ao próprio destino, embora esse destino possa ser a morte em
alguma salina perdida na costa de um rio esquecido. Salustiano não tinha ilusões quanto à guerra: sabia que nela os
homens morrem, matam e são mutilados física e mentalmente. Mas também não tinha ilusões quanto a si mesmo: sabia
que seu destino era afrontar o inimigo, e desafiar a morte carregando o Sagrado Pavilhão.

Às sete horas do dia 12 de março de 1904 o Coronel Salustiano, com alguns soldados, pegou o primeiro dos barcos
(foto).Invasão pelo rioNesta foto vemos o Coronel Salustiano com seu uniforme afrancesado, ao lado do homem de cartola, o velho prefeito da cidade cearense de Grossos, que Salustiano acusou de ter fugido covardemente perante o inimigo quando da invasão e por isso obrigou a vir logo na primeira vaga de invasão, composta deste e de alguns outros poucos barcos.

O problema é que nunca houve uma segunda e terceira vagas de invasão. Alguns oficiais, achando que Salustiano estava
enlouquecido, atravessaram o rio e entendendo-se com o inimigo conseguiram telegrafar para o Presidente do Estado, e
este respondeu que  eles não deveriam invadir o estado vizinho. Salustiano negou-se a cumprir tais ordens, por serem uma
afronta a sua honra militar, e no comando apenas de poucos homens, empreendeu a travessia

O combate foi renhido, tendo as poucas tropas de Salustiano lutado bravamente. (ver foto à esquerda).Combate - tropas de Salustiano Esta foto da esquerda, diga-se de passagem, talvez seja a mais rara e importante de todas as que estão aqui, pois apesar de sua má qualidade, é a única de combate real, e foi tirada pelo fotógrafo da expedição, o alferes Cristiano de Moraes. O fato é que após renhida luta o Coronel Salustiano, sem apoio, foi obrigado a retirar-se. Esse talvez tenha sido seu grande problema, a retirada. Ele, que passara a vida inteira dizendo que um comandante deveria vencer ou morrer, agora se deixara convencer por seus comandados de que não deveria se suicidar, e assim retirou-se com suas poucas tropas de volta para o lado cearense, deixando os potiguares livres na cidade entrincheirada de Areia Branca, onde orgulhosamente posaram para muitas fotos, como esta abaixo. Logo depois veio a ordem do Presidente da República de que as tropas dos dois lados deveriam recuar para suas bases.Vitória dos potiguares - comemoração

O fato é que depois daquele dia quente de março de 1904, naquela região com um vento penetrado de sal, o Coronel Salustiano nunca mais foi o mesmo. Pediu passagem para a reserva e deixou-se ficar numa cadeira de balanço olhando para o mar na sua casa em Fortaleza, sempre remoendo o momento em que tivera de se retirar, manchando sua honra para sempre. Era um homem acabado. E pouco adiantaram as homenagens que recebeu no decorrer dos anos. Foi condecorado por vários governadores e muitos anos depois a o Presidente Getúlio Vargas enviou um telegrama de enaltecimento ao velho militar.

Para não deixar a história sem final, acrescento que a região do Apodi e de Grossos, objeto do litígio entre os dois estados, acabou sendo decidida no Supremo Tribunal Federal, onde o Rio Grande do Norte teve a esperteza de contratar o melhor advogado que havia na época, o baixinho e ranheta advogado baiano Ruy Barbosa, o homem que se agarrava aos livros como se fossem ouro. Com um homem desses acabou sendo barbada para os potiguares, e eles ficaram com a região.

Quanto a Salustiano, morreu numa data muito infeliz, 11 de julho de 1932, quanto os olhos de todo o país estavam voltados para a Revolução que estourara em São Paulo. Poucas pessoas foram a seu enterro, a maioria familiares, e dizem que o enterro foi rápido, devido a uma chuva fina de fim de estação.  Sua lápide ainda hoje pode ser vista no cemitério de Fortaleza, e nela está escrito muito simplesmente: "Aqui jaz José Torcápio Salustiano de Albuquerque Padilha, a Altaneira Águia do Apodi".

----------------------------------------------------------------------------------------

Obs: o autor agradece o apoio do Sr. Jo&atil